terça-feira, 20 de janeiro de 2009

meia-noite-inteira

calada da noite que nada

minha noite fala pelos cotovelos

meia-noite é pouco

metade inteira, se é cedo

tarda, mas é tarde que de fato existo

me pinto, me canto, me verso

e descubro-me

ao avesso.

Um comentário:

sandrogmendes disse...

Creio que naum me conheces, meu nome: Sandro Mendes, sou poeta quando a vida bem me quer... Seu poema: avesso ao formalismo barato, traduz-me em alegria. Obrigado por conceder ao meio virtual uma bela poesia!

sandrogmendes@yahoo.com.br